Portal Online Multimidia

Servidores públicos e empresário são pr3sos por furt0 de merenda escolar em Coari

Mackson, Waldeci e Elionai aproveitaram que não havia ninguém no prédio da Semed e furtaram vários produtos alimentícios utilizados na merenda escolar dos estudantes.

Os funcionários públicos Mackson Fernandes Cardoso, 28 anos, Waldeci Fernades de Souza, 31 anos, e o empresário Elionai Pereira de Souza, 31 anos, foram presos em flagrante neste sábado (13) por peculato-furto de merenda escolar da Secretaria Municipal de Educaçaão de Coari (distante 363 quilômetros em linha reta de Manaus).

O crime ocorreu na madrugada de sábado (13), por volta das 3h, na rua Marechal Deodoro, bairro Centro, no Centro de Distribuição de Alimentos da Secretaria Municipal de Educação de Coari (Semed). Conforme o delegado José Barradas, titular da Delegacia Interativa de Polícia (DIP) daquele município o trio era funcionário da pasta.

Segundo a autoridade policial, Mackson, Waldeci e Elionai aproveitaram que não havia ninguém no prédio e, também, a facilidade de acesso ao local, e furtaram vários produtos alimentícios que seriam utilizados na merenda escolar dos estudantes do município.

“Iniciamos as investigações e colhemos várias informações para a elucidação desse crime de peculato-furto, inclusive com imagens de câmeras da secretaria municipal de Segurança, que foram decisivas para as prisões dos autores”, informou o delegado.

Segundo a autoridade policial, diante dos elementos de informação, os autores foram identificados e localizados em menos de 24 horas após o crime, juntamente com os produtos que tinham sido furtados.

“Verificamos indícios suficientes de autoria e materialidade. Eles confessaram a prática criminosa. Os funcionários públicos foram presos nas suas respectivas casas, e o empresário em seu comércio, onde venderia os produtos furtados”, relatou Barradas.

Todos foram encaminhados para a DIP de Coari. Eles foram autuados em flagrante por peculato-furto e passarão por Audiência de Custódia e ficarão à disposição da Justiça.

 

Fonte: ACRITICA*